Quanto carinho recebi ! Fiquei até emocionada, de verdade. Muitos devem pensar que estou fazendo tempestade num copo d’água. Mas não e logo abaixo explico o porquê. Obrigada a todo mundo que se preocupou, se emocionou e conseguiu ler minha novela do post passado.

Enquanto estava no hospital, minha irmã conseguiu o telefone de um pneumologista especializado em asma, DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica) e afins. Ontem, passei a manhã ligando no consultório dele para agendar uma consulta. Logo após o almoço, liguei novamente e uma moça atendeu dizendo que havia vaga para ontem mesmo 15:30. Pedi que deixasse marcado, chamei marido e lá vamos nós até o consultório do Dr. Jardim.

E ali, senti o tranco e vamos mudar a vida né ? Ele começa com um papo descontraído e vai fazendo seu histórico até chegar na asma. Foi explicando para a gente (VIU POVO? É SEPARADO QUE ESCREVE !) que, enquanto o asmático não entender sua doença e não entender o quão grave é, ele nunca vai se tratar direito. E foi aí que me toquei que realmente eu estava subtratada e relaxada também. Pois eu tratava a asma como uma alergia qualquer. E o asmático vai remediando com a bombinha. Disse que a asma é uma doença genética e que veio de algum lado da minha família. E que é uma doença inflamatória e como tal, tem que ser tratada com anti-inflamatórios. No caso, a prednisona. Ele explicava sobre a gravidade da doença sem te deixar assustado e achando que vai morrer logo. Senti muita confiança nele, ele alterou a dosagem de um dos meus medicamentos e o restante que estava prescrito de quando saí do hospital, ele pediu que parasse assim que acabasse a caixa. Exceto 2 para refluxo, que devo continuar também por um bom tempo, se não pro resto da vida como é o caso do foraseq.

Fazendo um comparativo tosco: o alergologista é a funilaria, o pneumologista é o motor. Sem motor o carro não anda né ? E eu só estava tratando da funilaria. Tomava o remédio quando me sentia ruim e não todos os dias como manda o figurino.

Quando finalmente chegamos aos “roxos” que tenho espalhados pelo pescoço e braços (veia fina, ruim de puncionar é f*da), marido contou ao Dr. Jardim o que tinha acontecido comigo. E não foi uma crise de asma qualquer. Foi muito grave o que eu tive e que ainda bem que fui resgatada a tempo. No raio-x dava pra ver até o tubo na minha garganta e ele se chocou ao saber que precisei ser entubada. Então não, não é tempestade em copo d’água. E eu sempre me gabando de estar me cuidando e tal, quando na verdade, nem perto disso eu estava fazendo. Se você conhece alguém que tenha problemas respiratórios, não deixe que essa pessoa relaxe no tratamento. Esse tratamento feito corretamente pode salvar a vida.

Agora é vida que segue. Volto pro trabalho segunda feira. Alô Saraiva, tô voltando e quero bolo  \o/. E retomar a rotina, tentar hidroginástica. Quero somente melhorar e nunca mais ter de passar por isso.

Beijos

4 comments on “Pneumologista”

  1. Ufa! Vida que segue De! Agora é cuidar pro resto da vida (por favor, durar por mais 90 anos ok?).
    To com saudade!
    Semana que vem to na loja te atormentando!!!! <3
    Beijo!

  2. Dê, vc falou tudo. Um dia, na consulta com o Matheus, o médico dele percebeu q eu estava com falta de ar (tb tenho asma 🙁 ) e me examinou e perguntou o q eu estava usando: nada! Ficou tão P. comigo, e disse, que naquele momento, meu caso era mais grave do q o do Matheus (q já foi entubado 2x) simplesmente pq eu não estava me tratando adequadamente! Agora é vida normal né? Beijos!!!

  3. Poxa Denise !!! eu relaxei no tratamento depois que baixei hospital vou voltar a fazer, tenho que procurar um bom médico o que me tratou da outra vez que tive asma junto com pneumonia não atende mais e era excelente 🙁
    bjs querida e melhoras

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

WordPress Anti Spam by WP-SpamShield